1 2 3 4

Entrevista com Atsushi Okada

0 comentários
Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície sensível. A primeira fotografia reconhecida remonta ao ano de 1826 e...

Epa, o que é isso? Todos nós sabemos o que é uma fotografia e temos bastante contato com ela, mesmo sem perceber. Aquele foto antiga de família, ou aquela que você tirou com suas amigas enquanto estavam na praia para colocar no facebook ou simplesmente guardar de recordação. A postagem de hoje é tanto pra quem curte fotografia e já tem um conhecimento na área quanto pra quem conhece pouco disso tudo, como eu, e tem interesse em aprender sobre fotógrafos bacanas. O Expresso Japão traz com exclusividade uma entrevista com Atsushi Okada, um fotógrafo japonês super conceituado e membro da nova geração de artistas. Okada é graduado em fotografia pela universiadade de artes de Osaka. Apesar de jovem, já recebeu diversos prêmios e teve seus ensaios publicados em livros. Ele trabalha com naturezas mortas, fotografias quase bidimensionais que jogam com uma estética de cores, formas e texturas. O contraste de cores e formas são bem evidentes em suas fotografias e chamam a atenção com facilidade. Interessado?

Nana: Fotografia é arte, e isso é evidenciado a cada ano. O que fez você decidir definitivamente a trabalhar com fotografia?
Okada Atsushi: Estive interessado em arte desde minha infância. Entretando, não quer dizer que eu amava fotografia desde cedo. Na minha infância eu não sabia que fotografia era uma arte. Na idade de 20 anos foi que eu aspirei ser um fotógrafo (1999). Isso foi porque eu senti a grande possibilidade da fotografia como arte, pensar sobre as perspectivas futuras de arte.


Nana: Como foi o início de sua carreira? Você recebeu muitas respostas negativas? As pessoas aceitaram bem o trabalho, ou (o trabalho) era controverso?
Okada Atsushi: Alguns fotógrafos de renome reconheceram e apoiaram meu talento artístico e meus trabalhos no início de minha carreira, no entanto, eu não era capaz de expôr meus trabalhos em qualquer galeria. Os japoneses dizem preferir a harmonia ao conflito. A Mídia e as galerias evitavam lidar com minhas obras com medo de receberem reclamações. Mas, recentemente, o número de meios de comunicação que apresentam meu trabalho tem aumentado muito. Embora ainda hajam algumas respostas críticas, não tenho medo deles. Isso é por que eu acho que o papel de um artista é oferecer um novo senso de valores ou um novo pensamento para a sociedade.

 

Nana: Como você definiria o estilo das suas fotografias? Há uma mistura de cores, texturas e efeitos, mas como você o define? O trabalho que você produz, hoje, é consistente com o que você planejou quando você começou a fotografar?
Okada Atsushi: Toda vez que eu começo a fotografar, tento imaginar o gráfico completo. A figura toda fotografada em minha mente determina como misturar cores, texturas e efeitos espontaneamente. Mas o trabalho realizado difere do que eu imaginei antes de fotografar. Da mesma forma, o que eu crio hoje não é consistente com o que eu planejava fazer no início de minha carreira. O que eu acho importante é ir além de minha própria imaginação e aproveitar esta transformação. Eu acho que isso é arte.

Nana: O que é fotografia para você? O que você sente ao fotografar e que tipo de sentimento que você quer transmitir para as pessoas que estão vendo suas fotos?
Okada Atsushi: Fotografia é um meio de encarar o mundo para mim. Para mim a arte é o que leva as pessoas que veem minhas obras para encontrar um novo senso de valores e um novo pensamento.

 

Nana: Você teve influências no mundo da fotografia? Se sim, quais foram elas?
Okada Atsushi: Não só os fotógrafos, mas também um monte de artistas me influenciaram. Egon Schiele e Joseph Beuys são dois deles.

Nana: Como um fotógrafo de renome, você certamente é uma influência para muitas pessoas que desejam ingressar no mundo fotográfico. Que mensagem você mandaria para essas pessoas que querem fotografar?
Okada Atsushi: Eu acho que é importante não ter medo de ser criticado e encontrar um novo senso de valores. Agora, quando a internet se espalhou por toda parte, as pessoas do mundo estão conectadas umas com as outras em uma velocidade tão alta e em uma escala larga, como ninguém antecipou no secúlo 20. Nesse ambiente, vejo maior possibilidade na fotografia do que em qualquer outro gênero das artes plásticas.

 

É isso aí, pessoal. Espero que tenham gostado! Essa a primeira entrevista exclusiva com uma personalidade japonesa, mas haverão muitas outras. Espero que continuem acompanhando o EJ e sintam-se à vontade para opinar e nos enviar sugestões de matérias.

Contato e entrevista: Nana Ajuda com a tradução para o português: Eiji
Quer saber mais sobre o Okada? Visite o site oficial dele clicando aqui.

0 comentários:

Postar um comentário